Praça do Coração de Jesus, s/n - Centro
contato@santuariosagradocoracaodejesus.com
(85) 3226.2854

Institutos seculares de todo o mundo se reúnem em Roma

Publicado por Agência Paróquia na Net em 23 de agosto de 2016

Compartilhe este post no:

Esses institutos representam uma forma de vida consagrada normalmente individual e no meio da sociedade

Os trabalhos da Assembleia Geral da Conferência Mundial de Institutos Seculares (Cmis), começam, nesta segunda-feira, 22, com uma Missa presidida pelo Cardeal João Braz de Aviz, Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica.

institutos-seculares-vida-consagrada

O encontro que reúne 140 participantes de 25 países termina na quinta-feira, 25.

Formação e identidade 

Os temas principais são a formação dos membros de Institutos seculares e a identidade da consagração dos próprios Institutos. Responsáveis gerais de Institutos seculares membros da Conferência e presidentes das Conferências nacionais e continentais de Institutos seculares participam do evento.

Institutos seculares, modernidade e beleza

O Cardeal explicou que os Institutos seculares são uma novidade na forma de vida consagrada.

“Ela vem de Pio XII, de 1947 (tem a mesma idade que eu, 69 anos). Ela já estava começando a existir um século antes, e foi amadurecendo na Igreja. Em vez de ser uma forma de consagração dentro de um instituto religioso, formando vida comunitária, vivendo fraternalmente numa mesma casa, essa é uma consagração normalmente individual e tipicamente no meio do mundo, no século – e por isso são chamados ‘seculares’”.

Nesse caso, não há a exigência de uma vida comunitária, diz o Cardeal, mas a consagração com as promessas ou os votos de castidade, pobreza e obediência são feitos, e devem ser cumpridos na própria profissão, na própria família, onde estiverem.

Diálogo contínuo e fecundo

Os Institutos seculares e a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada tem percorrido um caminho de diálogo.

“Vou me alegrar muito com eles, porque nós estamos fazendo um percurso muito bonito com a Conferência. Desde 2012, temos percorrido um caminho juntos. Temos um diálogo já institucionalizado, uma ou duas vezes por ano, e tem sido muito útil. Temos visto que não há contraposições, o que há é a necessidade de conhecimento da própria vocação. A própria Conferência nos ajudou a pensar muito mais agora essa característica da secularidade, ou seja, viver no mundo, no meio do mundo e quero agradecê-los por isso.”

Fonte: noticias.cancaonova.com