Praça do Coração de Jesus, s/n - Centro
contato@santuariosagradocoracaodejesus.com
(85) 3226.2854

Agosto: Mês Vocacional

Publicado por Agência Paróquia na Net em 5 de agosto de 2020

Compartilhe este post no:

Irmãos e Irmãs em Cristo Jesus

Paz, saúde e todo bem!

Todo ano, sempre no mês de agosto, a Santa Mãe Igreja Católica celebra em todo nosso País o Mês Vocacional. O referido mês foi Instituído na 19ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no ano de 1981, a celebração foi criada com o objetivo principal de conscientizar as nossas comunidades da responsabilidade que compartilham no processo vocacional.

A Igreja nos convida neste mês de agosto a intensificarmos ainda mais a nossa oração, pois é o próprio Jesus que disse: “Pedi ao Senhor da messe que envie operários para a messe, pois a messe é grande e os operários são poucos” (Mt 9,38). Há falta de padres, diáconos, religiosos, religiosas, e principalmente de cristãos leigos e leigas comprometidos(as) com a ação pastoral evangelizadora da Igreja.

Meus irmãos e irmãs, toda vocação contempla ao mesmo tempo um chamado e uma resposta. A vocação tem origem divina. É próprio Senhor Deus que chama. Ele chama um povo ou pessoalmente alguém para realizar uma missão (cf. Gn 12,1-3; Dt 7,6; Gn 26,3-5; Gn 28,13-14). Na história sagrada há inúmeras vocações, cito aqui algumas do Antigo e Novo Testamento, Abraão: Gn 12,1,2; Moisés: Êxodo 3,10-12; Josué: 1,1-2; 5,6; Samuel: 16, 12-13; Isaías: 6,8; Jeremias 1,5-7; Os doze Apóstolos: Jo 1,35-39.40.51; Lc 5,4-10; Lc 6,12-16; Mc 1,17-20; Mc 2, 13-17; Mt 4,12-22; At 1,15-26. Paulo: At 9,1-19; 22,1-21; 26,2-18; Barnabé e companheiros: At 13,1-3; Timóteo: 1Tm 4,14.

Destaco aqui a vocação da Bem-Aventurada Virgem Maria que teve um princípio e depois durou por toda a vida e assim deve ser toda vocação, um “sim” de cada dia e em todos os dias da vida. “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38).

Portanto, a Vocação é o chamado que Deus faz a uma pessoa para um estado ou modo de vida, segundo os planos de sua providencia. Em virtude disso a vocação é um mistério, e só pode ser vista a partir da fé. Ela é sobretudo uma eleição. Para Deus, chamar equivale a eleger (cf. Rm 9,11). Uma eleição que não tem outra explicação senão que a livre iniciativa divina.

O desejo interior e desinteressado de abraçar o estado religioso é um autentico chamado divino, por ser um desejo que supera a natureza, e deve ser seguido no mesmo instante; hoje como ontem são válidas as palavras de Jesus na Escritura: “Se queres ser perfeito vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres. Depois, vem e segue-me!” (Mt 19,21).

A cada domingo a celebração litúrgica é dedicada a uma vocação específica Normalmente a própria liturgia da Palavra de cada dia, em especial a dos domingos, dá o tema principal da reflexão e meditação trazida para alimento do povo de Deus. É costume, neste mês, comemorarmos as diversas vocações a cada semana.

Na Primeira semana a Igreja nos convida a uma reflexão sobre a importância dos ministérios ordenados: diáconos, presbíteros e bispos. Na Segunda semana será à iremos rezar pela vocação familiar. Na Terceira semana suplicaremos a Deus pela vocação das pessoas de vida consagrada, aqueles que fazem os votos de Castidade, Pobreza e Obediência. E na Quarta semana rezaremos pela vocação dos cristãos leigos e leigas e seus diversos serviços na comunidade, os ministérios não ordenados. No último domingo, dia 30, é celebrado o Dia dos Catequistas e rendemos louvores a Deus por essa vocação que é tão importante em nossas comunidades.

Assim nos diz o Santo Padre, o Papa Francisco “Nenhuma vocação nasce por si, nem vive para si. A vocação brota do coração de Deus e germina na terra boa do povo fiel, na experiência do amor fraterno”.

Por isso, uma vez vivendo e experimentando o amor de Deus, presente em cada chamado, a vocação não pode ser vivida como um peso, um fardo que priva o homem, a mulher de tantas realidades e sonhos, mas deve ser vista sob a ótica do amor, que promove a verdadeira realização de cada pessoa. Nem tampouco ser tomada pelo medo de responder a vocação e perder a própria “vida”, pois a verdadeira vida está em Deus, e somente acolhendo o desígnio de Deus, manifestado em sua vocação pessoal, o homem, a mulher será verdadeiramente feliz.

Que Nossa Senhora Mãe das Vocações nos ajude a vencermos os nossos medos e, assim como ela, respondermos sim à vocação que Deus tem para nós.

Frei Alexandre Veloso
Reitor do Santuário